Veja a cidade:

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente apresenta o Biosampa 2020

Relatório da biodiversidade paulistana e serviços ecossistêmicos tem 23 indicadores que contribuem com dados para uma agenda ambiental


Às vésperas da COP-26, conferência mundial que discute os impactos e as formas de mitigar os problemas relacionados às mudanças climáticas, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente lança a segunda edição de um material com dados e contribuições para conservação da biodiversidade da nossa capital.

O Biosampa 2020 atualiza informações relevantes e apresenta 23 indicadores da biodiversidade paulistana, serviços ecossistêmicos e governança relacionada à construção de uma agenda ambiental para uma São Paulo mais sustentável. O documento também torna possível a comparação entre municípios que utilizam a mesma metodologia, internacionalmente reconhecida como Índice de Biodiversidade da Cidade e adotada pela Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU (Organização das Nações Unidas).

Este ano, a publicação apresenta uma novidade, os indicadores também foram produzidos para cada subprefeitura, o que torna possível a comparação da dinâmica e performance interna do município no que tange a biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

A ferramenta é utilizada em mais de 40 importantes cidades ao redor do mundo e a partir dela é possível compreender o estado e a evolução dos indicadores para subsidiar o planejamento de estratégias para a conservação e recuperação ambiental. O índice foi proposto em 2008 na COP em Bonn, na Alemanha, amplamente discutido no ano seguinte na COP de Curitiba e reconhecido a partir de 2010 na COP ocorrida em Nagoia, no Japão.

O crescimento da população urbana nas últimas décadas torna necessário o debate entre as administrações para políticas ligadas à conservação da biodiversidade. O uso efetivo da terra e o gerenciamento de ecossistemas naturais nas áreas urbanas contribuem para a redução de impactos gerados pela emergência climática do planeta e colocam as cidades como protagonistas para conter os danos de fauna e flora.

Com exceção do mapeamento da vegetação, alusivo a 2017, todos os indicadores desta segunda edição do Biosampa têm o ano de 2020 como referência. Além disso, alguns dos resultados sofreram impacto do isolamento social decorrido da pandemia do novo coronavírus.

O relatório, na sua primeira parte, contém o perfil da cidade com informações qualitativamente relevantes sobre a biodiversidade e como áreas naturais são protegidas; na segunda parte, traz o detalhamento dos indicadores, agrupados em Biodiversidade Nativa da Cidade, Serviços Ecossistêmicos Providos pela Biodiversidade e Governança e Gestão da Biodiversidade.

Confira a seguir quais são os indicadores:

- Patrocinado -

Últimas

JORNAL VER A CIDADE – ANO 3 – EDIÇÃO 36 – Maio de 2022

https://issuu.com/jornalveracidade/docs/edi_o_ver_a_cidade_14.05.22_web

ONG constrói escola 100% renovável com materiais recicláveis no Tatuapé, Zona Leste

Foi usado 2,5 milhões de embalagens plásticas recicladas A ONG...

Em dois dias, mais de 740 veículos são abordados pelas polícias de SP na capital

Ação visa conter criminalidade, que tem se agravado nos...

JORNAL VER A CIDADE – ANO 3 – EDIÇÃO 36 – Maio de 2022

https://issuu.com/jornalveracidade/docs/edi_o_ver_a_cidade_14.05.22_web

ONG constrói escola 100% renovável com materiais recicláveis no Tatuapé, Zona Leste

Foi usado 2,5 milhões de embalagens plásticas recicladas A ONG Mangalô resolveu inovar na sustentabilidade e construir uma escola, inédito na capital paulista, com toda...

Em dois dias, mais de 740 veículos são abordados pelas polícias de SP na capital

Ação visa conter criminalidade, que tem se agravado nos últimos meses na cidade As Polícias Civil e Militar abordaram mais de 740 veículos entre sexta-feira...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui