No menu items!
20.8 C
São Paulo
quinta-feira, 20 junho, 2024

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente apresenta o Biosampa 2020

Relatório da biodiversidade paulistana e serviços ecossistêmicos tem 23 indicadores que contribuem com dados para uma agenda ambiental


Às vésperas da COP-26, conferência mundial que discute os impactos e as formas de mitigar os problemas relacionados às mudanças climáticas, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente lança a segunda edição de um material com dados e contribuições para conservação da biodiversidade da nossa capital.

O Biosampa 2020 atualiza informações relevantes e apresenta 23 indicadores da biodiversidade paulistana, serviços ecossistêmicos e governança relacionada à construção de uma agenda ambiental para uma São Paulo mais sustentável. O documento também torna possível a comparação entre municípios que utilizam a mesma metodologia, internacionalmente reconhecida como Índice de Biodiversidade da Cidade e adotada pela Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU (Organização das Nações Unidas).

Este ano, a publicação apresenta uma novidade, os indicadores também foram produzidos para cada subprefeitura, o que torna possível a comparação da dinâmica e performance interna do município no que tange a biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

A ferramenta é utilizada em mais de 40 importantes cidades ao redor do mundo e a partir dela é possível compreender o estado e a evolução dos indicadores para subsidiar o planejamento de estratégias para a conservação e recuperação ambiental. O índice foi proposto em 2008 na COP em Bonn, na Alemanha, amplamente discutido no ano seguinte na COP de Curitiba e reconhecido a partir de 2010 na COP ocorrida em Nagoia, no Japão.

O crescimento da população urbana nas últimas décadas torna necessário o debate entre as administrações para políticas ligadas à conservação da biodiversidade. O uso efetivo da terra e o gerenciamento de ecossistemas naturais nas áreas urbanas contribuem para a redução de impactos gerados pela emergência climática do planeta e colocam as cidades como protagonistas para conter os danos de fauna e flora.

Com exceção do mapeamento da vegetação, alusivo a 2017, todos os indicadores desta segunda edição do Biosampa têm o ano de 2020 como referência. Além disso, alguns dos resultados sofreram impacto do isolamento social decorrido da pandemia do novo coronavírus.

O relatório, na sua primeira parte, contém o perfil da cidade com informações qualitativamente relevantes sobre a biodiversidade e como áreas naturais são protegidas; na segunda parte, traz o detalhamento dos indicadores, agrupados em Biodiversidade Nativa da Cidade, Serviços Ecossistêmicos Providos pela Biodiversidade e Governança e Gestão da Biodiversidade.

Confira a seguir quais são os indicadores:

- Patrocinado -

Últimas

A regulação das redes sociais e fake news no Brasil

A regulação das redes sociais e o combate às fake news tornaram-se tópicos centrais no Brasil. Com o avanço das tecnologias digitais e o...

Junho verde – Fuplastic apoia valorização do plástico nacional e da agenda brasileira para combate à poluição

Produção de plástico deve triplicar até 2060. Indústria prevê ressignificar 6 milhões de quilos este ano O Brasil, como um dos maiores países em extensão...

São Paulo teve o maio mais quente em 81 anos, é o que informa o último boletim do Instituto Nacional de Meterologia (Inmet)

Em 17 dos 31 dias de maio, a temperatura máxima superou os 29°C De acordo com o dado divulgado no último sábado (8), o mês...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui