No menu items!
18.7 C
São Paulo
segunda-feira, 22 julho, 2024

É possível substituir o plástico convencional? Conheça as alternativas que geram menor impacto ambiental

Plásticos biodegradáveis e bioplásticos têm o potencial de mudança na indústria e varejo, e já são realidade no Brasil e no mundo

No dia 3 de julho, foi comemorado o ‘Dia Mundial sem Plástico’. A data tem como objetivo chamar a atenção para um grave problema da atualidade: o consumo excessivo e a poluição ocasionada pelo plástico convencional globalmente. Mas, sendo esse material extremamente útil em nosso dia a dia, como podemos contribuir com o planeta? Há alternativas, como o plástico biodegradável e o bioplástico – que se tornam uma opção sustentável para indústrias, varejo e consumidores.

Um estudo realizado pela WWF mostra que o Brasil é o quarto país que mais gera plástico no mundo e recicla menos de 2% desse total, muito abaixo da média mundial de 9%. Para se ter ideia, a produção de lixo plástico é de 1kg semanal por brasileiro.

Já a análise da Mordor Intelligence mostra que o tamanho do mercado de embalagens biodegradáveis mundial ​​é estimado em US$ 105 bilhões em 2024, e deve crescer 5,97% até 2029, passando de US$ 140 bilhões. Essas novas soluções, formuladas com materiais que se comportam e têm a mesma utilidade do plástico convencional, têm menos efeitos negativos para o meio ambiente e podem reduzir a pegada ecológica.

As alternativas podem ser feitas à base de matéria-prima de origem vegetal, os chamados biobaseados, ou com formulações que podem até incluir materiais de origem fóssil, mas com a vantagem de ser biodegradável, ou seja, o material serve de comida para microrganismos e fungos quando descartado em diferentes condições ambientais.

Para Ybellise Azocar, diretora de ciência na Bioelements, é preciso entender que para ser biodegradável, uma embalagem não precisa ser 100% de origem vegetal. “Um material 100% biobaseado ou fabricado exclusivamente a partir de matérias-primas renováveis não é necessariamente biodegradável, e para ser considerado biodegradável, um material não precisa ser totalmente biobaseado. A biodegradabilidade não depende exclusivamente das matérias-primas utilizadas, mas da sua estrutura química. As embalagens podem ser biodegradáveis e de base biológica a partir de resíduos derivados de milho, cana-de-açúcar, mandioca ou batata”.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No...

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco legal brasileiro Pesquisa do Instituto Trata Brasil, divulgada na segunda-feira (15), mostra que a universalização do...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de Barros Filho destaca a importância do respeito à faixa de segurança Nos últimos cinco anos, 33.531...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No segundo final de semana de julho, mais de 200 mil pessoas visitaram o 25º Festival...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui