No menu items!
19.4 C
São Paulo
sexta-feira, 24 maio, 2024

Uso de energia solar cresce nas propriedades e produtores comemoram economia

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), participação do setor rural é de 13,6% em todo o país


“Quase caí para trás quando percebi a diferença na conta de luz no primeiro mês em que instalei as placas solares na minha propriedade. Não consegui acreditar que era verdade a economia que eu tive”, relata a produtora de leite e associada da Capal, Eliane Sabater, de Wenceslau Braz/PR, após aderir ao uso de energia solar.

A energia fotovoltaica é a produção de eletricidade a partir da luz do sol, e o resultado dessa fórmula é a economia. O uso da tecnologia vem crescendo no agronegócio em todo o Brasil e os produtores rurais já perceberam o potencial na utilização da energia solar. Dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) apontam que a participação do setor rural na geração distribuída é cerca de 13,6% em todo o país.

Na propriedade de Eliane, o maior consumo de energia se dá por conta da leiteria que produz uma média de 750 litros por dia. A média de gasto girava em torno de R$ 2,1 mil por mês. O valor caiu para apenas R$ 17 após a instalação das placas de energia solar em abril deste ano.

“Resolvemos procurar financiamento para colocar as placas na propriedade. Depois de muito sacrifício, conseguimos e o resultado da economia veio já no primeiro mês. Vamos conseguir pagar o financiamento com o dinheiro que economizarmos com a conta de luz e ainda vai sobrar”, diz a produtora.

Cooperador da Capal, Gustavo de Oliveira é produtor de soja, trigo, feijão e sorgo. A sua propriedade está localizada no município de Campina do Monte Alegre (SP). Ele observa que em sua região muitos produtores que trabalham com agricultura já viram vantagens em utilizar a energia solar.

Gustavo salienta que, em períodos de irrigação, técnica muito comum no interior de São Paulo, o valor da conta de energia chegava a R$ 7 mil por mês. Hoje em dia pagamos em torno de R$ 200. “A diferença é bem grande. Vimos que, além da economia, não precisamos gastar com água para gerar energia. Estamos colaborando com o meio ambiente e percebemos que o uso da tecnologia tem crescido muito na região, principalmente entre os produtores que trabalham com irrigação. Vale muito a pena”, salienta.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Saiba como doar parte do Imposto de Renda para ajudar vítimas da cheia

Quem já entregou documento este ano pode fazer declaração retificadora Divulgação Foto Agência Brasil Além das doações diretas de água, mantimentos e roupas ao Rio Grande...

No Vaticano, Ricardo Nunes fala da necessidade de comprometimento dos governantes no combate às mudanças climáticas

Prefeito de São Paulo é um dos 20 prefeitos em todo o mundo convidados pelo Papa Francisco a falar de ações de sustentabilidade Em sua...

Cia. Madeirite Rosa apresenta espetáculo infanto-juvenil “Pro Mundo Virar” no Capão Redondo

De forma sensível e poética, o espetáculo convida crianças e adolescentes a refletirem sobre presentes no cotidiano A Cia. Madeirite Rosa (@madeiriterosa ) está realizando...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui