No menu items!
29.4 C
São Paulo
terça-feira, 16 abril, 2024

Otorrinolaringologistas alertam para aumento de cirurgia de língua presa em bebês

A Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica e a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia esclarecem sobre o assunto em campanha com o tema: “Meu filho tem língua presa. E agora, doutor?”


A língua presa, também chamada cientificamente de anquiloglossia, é uma condição que atinge de 2,8% a 10,7% dos bebês, segundo estudos internacionais da área médica. Considerada uma anomalia congênita, ela ocorre quando o freio ou frênulo lingual, que é a membrana embaixo da língua responsável por prender o órgão na boca, é menor que o normal ou posicionada muito próximo da ponta da língua.

No Brasil, desde 2014, vigora a Lei nº 13.002 que tornou obrigatória a realização do Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua, também conhecido como “teste da linguinha”, com o objetivo de identificar precocemente o problema em recém-nascidos. De acordo com o Ministério da Saúde, o exame permite detectar se há alguma alteração de tamanho e anatomia na membrana embaixo da língua capaz de dificultar a amamentação e interferir no desenvolvimento da fala, mastigação, deglutição e dentição ao longo do crescimento da criança.

Diante do diagnóstico positivo para anquiloglossia, o procedimento cirúrgico de incisão no freio lingual, chamado de frenectomia ou frenulotomia, tem aumentado, chegando a crescer 800% em todo o mundo, segundo a nota técnica da Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica, de 2022.

O cenário acendeu um alerta em organizações representativas da comunidade médica, entre elas a Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica (ABOPe), a qual avalia que é preciso ter cuidado com esta intervenção.

Em nota técnica, a entidade questiona critérios considerados controversos no teste da linguinha e chama a atenção para o fato de que a frenectomia “não é isenta de riscos, ainda mais em locais sem estrutura adequada, como consultórios de profissionais não médicos, que não têm treinamento para lidar com complicações da anestesia local em bebês e complicações do procedimento em si (sangramento, infecção)”.

Segundo os especialistas, nem todos os casos em que se identifica a língua presa justificam a cirurgia. Além disso, um diagnóstico definitivo nos primeiros dias de vida não é o recomendado, uma vez que os bebês ainda estão aprendendo a mamar e as mães a amamentar, sendo que a língua presa pode não ser a causa de uma eventual dificuldade que eles estejam enfrentando nessa tarefa.

“Como otorrinolaringologistas, vemos casos de dificuldade de amamentação por outras causas que não correspondem ao freio lingual curto, como malformações das vias aéreas e alterações neurológicas que, em um primeiro momento podem não ser fáceis de diagnosticar e exigem avaliação e acompanhamento médico”, esclarece a presidente da ABOPe, Cláudia Schweiger.

Campanha

Para orientar os pais e profissionais da saúde sobre o que fazer em casos identificados com essa anomalia, a ABOPe e a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) promovem a Campanha Nacional da Otorrino Pediátrica, com o tema: “Meu filho tem língua presa. E agora, doutor?”. Com início nesta segunda-feira (11/09), a ação promove a propagação de conteúdos educativos e sana dúvidas nas redes sociais.

“Vamos informar sobre causas, sintomas, questões ligadas ao diagnóstico e tratamentos disponíveis para essa condição. A língua presa pode levar ao desmame dos bebês mais cedo que o tempo ideal, pois gera dificuldade da pega correta do seio e dor na mãe ao amamentar. Essa situação impacta a qualidade de vida do recém-nascido e da mãe, trazendo insegurança e angústia à família. Por isso, queremos apoiar e orientar os pais com informações médicas”, afirma Cláudia.

A médica enfatiza a necessidade e a importância da avaliação anatômica e funcional especializada antes da indicação de qualquer intervenção. “Os riscos de complicações não se limitam somente ao período imediatamente após o procedimento, mas também a estágios posteriores durante o processo de cicatrização. Além disso, é fundamental reconhecer situações em que o procedimento é contraindicado e poderia piorar sintomas respiratórios”, esclarece a presidente da ABOPe.

Durante todo o mês de setembro serão compartilhados vídeos, posts e lives com médicos da Otorrinolaringologia Pediátrica e Pediatria para instruir a população sobre o assunto. Capacitações voltadas à área médica também serão realizadas pela ABORL-CCF. Para acompanhar as informações, basta acessar os perfis de Instagram abopediatrica e otorrinoevoce.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Capital conta com atividades de empreendedorismo nos coworkings da Prefeitura

A rede Teia oferecerá durante todo o mês palestras,...

IR 2024: aplicativos falsos podem roubar dados de contribuintes

Receita Federal alerta sobre malwares e especialistas dão dicas...

Passageiros de SP pagam tarifa mais barata com Cartão Fidelidade; veja como funciona

Com o bilhete, que pode ser adquirido nas postos...

Capital conta com atividades de empreendedorismo nos coworkings da Prefeitura

A rede Teia oferecerá durante todo o mês palestras, cursos, oficinas e diversas outras ações gratuitas para a população Os Teias estão com nova programação...

IR 2024: aplicativos falsos podem roubar dados de contribuintes

Receita Federal alerta sobre malwares e especialistas dão dicas de como evitar cair em golpes Com o início da temporada de declaração do Imposto de...

Passageiros de SP pagam tarifa mais barata com Cartão Fidelidade; veja como funciona

Com o bilhete, que pode ser adquirido nas postos de atendimento, é possível economizar até R$ 0,66 por viagem Os passageiros que utilizam o transporte...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui