No menu items!
22.3 C
São Paulo
quinta-feira, 18 agosto, 2022

Inaugurada escultura em bronze da escritora negra Carolina Maria de Jesus em Parelheiros

Icônica escritora negra viveu os últimos anos de vida no Extremo Sul paulistano


Foi inaugurado na quinta-feira (28) a nova escultura em homenagem à icônica escritora negra Maria Carolina de Jesus, na região de Parelheiros, extremo sul de São Paulo. O local escolhido é a Praça Júlio César de Campos.

Esta é a última obra a integrar o projeto que propões criações, todas feitas por artistas negros, para homenagear personalidades negras da cultura paulistana. “Uma mulher negra, escritora, favelada, Carolina Maria de Jesus é uma inspiração para todas nós que vivemos na periferia da cidade”, conta a Secretária Municipal de Cultura, Aline Torres.

A escultura em bronze foi feita por Néia Ferreira Martins, foi feito em um tamanho um pouco menor que o natural (129 cm de altura, 50 cm de largura e 30 cm de profundidade), sentada em uma base de pedra granito com sua cabeça altiva e pensativa, com uma caneta e livro na mão. No seu colo papéis avulsos se somam à composição da obra e uma imagem em alusão a sua antiga moradia na favela do Canindé.

Carolina Maria de Jesus é uma das primeiras escritoras negras do Brasil, consagrada como uma das mais importantes com o livro Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. Publicada em 1960, a obra ganhou reconhecimento internacional e foi traduzida para mais de 15 idiomas. Nela, conta a rotina da favela do Canindé, São Paulo, onde residiu a maior parte de sua vida.

Construiu sua própria casa, usando qualquer material que pudesse encontrar – madeira, lata e papelão. Para conseguir sustentar a si mesma e seus três filhos, trabalhava como catadora de papel. O lançamento do livro, assim como o sucesso de vendas, representou a saída de Carolina da favela, mas também a hostilidade dos moradores de lá, que se sentiram expostos nos relatos.

Depois da publicação de Quarto de Despejo, mudou-se para Santana e, em 1969, para Parelheiros. Nesta época, contudo, parou de receber o pagamento dos direitos autorais e teve de voltar a trabalhar como catadora de papel. Morreu aos 62 anos, em seu quarto em Parelheiros. Até hoje, seu trabalho e obra são objetos de estudo não só no país, mas ao redor do mundo.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Ampliação do Projeto Faixa Azul é liberada pela Secretaria Nacional de Trânsito

A CET foi autorizada a realizar o projeto piloto...

SPTrans desenvolve campanha de combate ao racismo no transporte público

A ação pretende ir além do ambiente ônibus e...

Ampliação do Projeto Faixa Azul é liberada pela Secretaria Nacional de Trânsito

A CET foi autorizada a realizar o projeto piloto em outros locais A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) foi autorizada pela Secretaria Nacional de...

SPTrans desenvolve campanha de combate ao racismo no transporte público

A ação pretende ir além do ambiente ônibus e envolver toda a sociedade A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Executiva de Transporte...

Reciclagem de uniformes antigos viram cobertores para doação em ação do Grupo Mirassol

Mais de 300kg de peças não usadas foram revertidos em cobertores a serem doados Nesta semana vivemos uma grande invertida no tempo, tornando o clima...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui