No menu items!
27.4 C
São Paulo
sexta-feira, 1 março, 2024

Dezembro Laranja: conheça os principais sinais para ficar em alerta sobre o câncer de pele

Além de causar o envelhecimento precoce, exposição desprotegida ao sol aumenta em até 10x riscos de doenças


Os cuidados no verão devem ir muito além do uso do protetor solar, afinal, informação também é fundamental para prevenir possíveis riscos à saúde, como o câncer de pele. Durante todo o mês, a campanha Dezembro Laranja vem para alertar sobre a doença, tipo de tumor maligno que mais afeta a população brasileira.

A exposição prolongada ao sol sem proteção necessária, além de causar o envelhecimento precoce, aumenta em até 10x o risco de câncer de pele – justamente pelo contato direto com os raios nocivos. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a doença ultrapassa no Brasil a marca de 229 mil novos casos todos os anos – representando cerca de 31,3% dos tumores malignos registrados.

Dra. Sheila Ferreira, oncologista da Oncoclínicas em São Paulo, explica que os primeiros sinais podem ser alterações na pele, bastante semelhantes a pintas ou manchas escurecidas, sejam elas novas ou de nascença, que se modificam com o tempo. “Essas alterações podem ser identificadas a partir da regra do ‘ABCDE’ – Assimetria, Bordas irregulares, Cor, Diâmetro e Evolução”, diz.

Assimetria: quando metade da lesão é diferente da outra parte
Bordas: se a pinta, sinal ou mancha apresenta um contorno irregular
Cor: quando a lesão possui cores diferentes, podendo ser entre vermelho, marrom e preto.
Diâmetro: caso a lesão apresente um diâmetro maior do que 6 mm
Evolução: mudanças nas características da lesão ao longo do tempo (tamanho, forma, cor).

De modo geral, o câncer de pele pode ser dividido em dois subtipos: o câncer de pele não melanoma (carcinoma basocelular e espinocelular), mais frequente, e o melanoma, mais raro, porém, mais agressivo.

Carcinoma basocelular (CBC) – aparece nas células basais, que ficam na camada superior da pele. As regiões afetadas com maior frequência são: rosto, couro cabeludo, pescoço, costas e ombros. Pode se parecer com lesões não cancerígenas, como a psoríase ou eczema.
Carcinoma espinocelular (CEC) – costuma se manifestar nas células escamosas, presentes na camada superior da pele. Geralmente, aparece em áreas com sinais de dano solar, como rosto, orelhas, pescoço, couro cabeludo, entre outros;
Melanoma – tipo mais raro e com maior índice de mortalidade. Possui a aparência de “pinta” ou “sinal” em tons acastanhados.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

ARTIGO | Cidadãos exigentes: tecnologia como ferramenta de eficiência no setor público

A adoção de IA e analytics no setor público tem causado uma evolução significativa na forma como o governo opera e toma decisões. Esta...

Mulher do Tocantins que desapareceu ao chegar a São Paulo é encontrada pelas câmeras inteligentes da Prefeitura

Sistema de reconhecimento facial, que prevê 20 mil câmeras instaladas em toda a cidade, começou a funcionar no dia 9 e localizou desaparecida 4...

Secretaria Executiva do Programa Mananciais entregará quase 8 mil unidades habitacionais até o final de 2024

O Programa Mananciais já beneficiou 21 mil famílias com obras de urbanização A Secretaria Executiva do Programa Mananciais / Secretaria Municipal de Habitação – SEHAB,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui