No menu items!
18.7 C
São Paulo
segunda-feira, 22 julho, 2024

ARTIGO | Por que a dengue continua sendo um problema no Brasil em 2022?

Em setembro de 2022, o Ministério da Saúde publicou um boletim epidemiológico registrando aumento de quase 190% em casos de dengue em comparação com o mesmo período em 2021.

Isso ocorreu devido às altas temperaturas que tivemos no Brasil, pois o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, gosta de temperaturas elevadas. Se desenvolve melhor a 28, 30 graus celsius. E, como acontece em muitas regiões neste país tropical, depois da seca e do calor vem a chuva – também intensas neste ano, favorecendo ainda mais a proliferação desse transmissor.

Após a picada da fêmea do mosquito, há um período de incubação de 3 a 14 dias. Depois disso, a pessoa começa a ter o que chamamos de viremia: vem uma febre muito alta e que vai se estender até o quinto dia, associada com dor de cabeça caracterizada por uma dor forte atrás dos olhos, mal-estar, fraqueza, dores musculares e nas articulações, perda de apetite, enjoo, vômitos. Diarreia pode acontecer também. Nesta fase ainda podem aparecer lesões exantemáticas, que são manchas pelo corpo, concentradas na face, tronco e membros. Após esses cinco dias, o paciente pode melhorar ou a doença pode evoluir para uma fase crítica, que ocorre quando a febre diminui, mas começam hemorragias que podem levar ao choque e à disfunção de órgãos.

Quem já teve dengue uma vez pode ser contaminado novamente, pois o arbovírus (o nome científico para vírus transmitidos por mosquitos) da dengue apresenta quatro sorotipos, em geral, denominados DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. Quando contaminada por um desses sorotipos, a pessoa desenvolve imunidade apenas contra ele, continuando exposta aos outros.

Existe uma vacina, mas ela está disponível apenas na rede privada e não é indicada para vacinação em massa em razão de critérios importantes: só pode se vacinar quem já teve dengue, essas pessoas precisam ter entre 9 e 45 anos de idade e a vacina não é indicada a gestantes ou lactantes. Então, embora haja uma vacina, seu alcance ainda não é expressivo da forma que precisamos no Brasil. Por isso, a sociedade e o poder público precisam atuar nesse combate difícil de ser vencido. Saneamento básico e políticas públicas tanto em saúde quanto em educação e conscientização são fundamentais. Enquanto tivermos uma população tão grande na miséria, teremos recordes de dengue.

Dra. Sandra Gomes de Barros é médica infectologista e professora do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No...

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco legal brasileiro Pesquisa do Instituto Trata Brasil, divulgada na segunda-feira (15), mostra que a universalização do...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de Barros Filho destaca a importância do respeito à faixa de segurança Nos últimos cinco anos, 33.531...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No segundo final de semana de julho, mais de 200 mil pessoas visitaram o 25º Festival...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui