No menu items!
18.7 C
São Paulo
segunda-feira, 22 julho, 2024

ARTIGO | O poderoso sentimento de pertença

Em uma aula recente, ouvi da professora esta assertiva conclusão: “O que o aluno constrói, ele não destrói.” Essa fala traduz um termo caro ao ser humano, em sua relação com o mundo: o sentimento de pertença.

A sensação de pertencimento ativa algo poderoso em nós. Somos capazes de enfrentar as mais áridas adversidades e, mesmo, muitos dissabores em nome daquilo que tem um pouco de nós: a nossa família, a nossa escola, o nosso time, a nossa cidade, o nosso país. Mais que isso, alimenta nosso otimismo. Vá alguém falar da nossa família, por mais problemática que seja! Um 7 x 1 pode até nos abater, mas não nos tira a alegria de pertencer a uma nação: um dia daremos o troco!

Considerando que, em grande medida, a escola representa os primeiros contatos da criança com “o mundo” e que boa parte do que se constrói nesse espaço molda o futuro cidadão, precisamos cultivar nos discentes esse bom sentimento e, sobretudo, levá-los a abrir-se para ele em outros contextos. Para além dos muros da escola, precisamos nos sentir parte de algo, precisamos de paixões, precisamos de causas por que lutar. Caso contrário, o niilismo se instala. E, na provocativa indagação de um famoso rock nacional, “como é que eu vou crescer sem ter com que me rebelar?”.

Ouvi de certo professor, um sociólogo, a expressão “fragilidade institucional”, como referência à incredulidade que toma a população a respeito das autoridades e órgãos governamentais.

Nesse mesmo sentido, vaticinou o ilustre mestre, um dos maiores desafios do nosso país é modificar a relação do brasileiro com o bem público. E explicou: enquanto o cidadão enxergar as ruas, os parques, as praias, os prédios públicos como espaços sem dono ou “do governo”, dificilmente haverá o senso de cuidado e preservação.

A pedagogia de projetos e as metodologias (cri)ativas apresentam-se como interessantes possibilidades. Especialmente, porque suscitam desafios e incentivam a aprendizagem colaborativa. E, ao se verem como parte dos problemas, os jovens hão de perceber que, na vida em sociedade, quase sempre, o “eu” precisa dar lugar ao “nós”; que a força deste, plural, é maior que a daquele, singular.

Esse pequeno passo no microcosmo escolar pode representar grande salto para a construção de uma sociedade mais harmônica.

Ênio César de Moraes É poeta e professor. Assessor Pedagógico no Colégio Presbiteriano Mackenzie de Brasília (CPMB) e professor de Língua Portuguesa


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No...

Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070

São 37 anos de atraso em relação ao marco legal brasileiro Pesquisa do Instituto Trata Brasil, divulgada na segunda-feira (15), mostra que a universalização do...

Governo de São Paulo lança campanha para reduzir mortes de pedestres

Campanha educativa com o filósofo e professor Clóvis de Barros Filho destaca a importância do respeito à faixa de segurança Nos últimos cinco anos, 33.531...

Festival do Japão atrai 200 mil pessoas em São Paulo

Evento contou com apresentações, comidas típicos e produtos artesanais No segundo final de semana de julho, mais de 200 mil pessoas visitaram o 25º Festival...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui