No menu items!
14.2 C
São Paulo
segunda-feira, 22 julho, 2024

ARTIGO | Felicidade e trabalho: nunca essa relação se mostrou tão importante como nos dias atuais

Durante muito tempo as pessoas eram cobradas para terem alguma ocupação ou até mesmo se esforçarem para conseguirem uma atividade para complementar a renda familiar, pois era considerado por muitos que o trabalho trazia consigo, às vezes até em excesso, a felicidade; o senso de realização e de sentir útil e produtivo. Contudo, vem sendo observado que não basta estar profissionalmente ativo, é importante que o trabalhador tenha qualidade de vida durante a execução do seu ofício, que se sinta pleno, reconhecido em suas competências e necessidades e que esteja em um ambiente emocionalmente saudável. Sabemos que a Felicidade é uma construção e no mundo corporativo é um ativo cada vez mais valorizado e buscado por líderes que sabem que produtividade e felicidade caminham lado a lado.

Os índices de suicídios no Brasil são altos; ocorre um suicídio a cada 45 minutos e nas empresas a situação não é diferente. É preciso se preocupar profundamente em criar ambientes menos tóxicos, mais acolhedores e que promovam prevenção e acolhimento para estancar este aumento inaceitável de burnout, outros transtornos de saúde mental e o suicídio. As pessoas estão adoecendo e colocando o Brasil em uma posição que nada nos orgulha. Segundo dados da OMS – Organização Mundial da Saúde – estamos em 1º lugar no ranking de depressão e ansiedade da América Latina, com quase 19 milhões de pessoas nestas condições.

Adotar uma área, um departamento estruturado para cuidar da felicidade corporativa e desenvolver esta jornada mitiga muito os riscos de os colaboradores desenvolverem transtornos mentais relacionados pelo esgotamento profissional e isso traz resultado para as pessoas e para as empresas, pois pessoas felizes trabalham melhor e rendem mais.

Não se pode mais imaginar empresas que visam apenas lucro, produtividade e crescimento desconectados ao propósito de valorização do ser humano. Pensar isso é estar na contramão de um processo evolutivo e sem volta. É participar ativamente de uma sociedade que está adoecendo e ser conveniente com um cenário que precisar ser modificado. O futuro do trabalho é esse; sintonia entre saúde, felicidade e produtividade.

Kátia de Boer é Diretora Comercial da SAFE CARE, consultoria especializada na área de benefícios saúde e CEO da SAFE GROUP


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

Últimas

Os impactos das redes sociais na formação de crianças e adolescentes

Com alguns cuidados simples é possível fazer o uso equilibrado e responsável dessas tecnologias O uso excessivo de celular e redes sociais pode ter diversos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui