Relatório da SOS Mata Atlântica revela melhora na qualidade da água dos rios brasileiros

0
12

O estudo analisou 130 pontos de monitoramento, distribuídos em 77 trechos de rios e corpos d’água brasileiros, em 64 municípios, nos 17 estados do bioma Mata Atlântica. Do total de trechos analisados, cinco estão localizados em rios do Estado de São Paulo


O dia 22 de março é conhecido como o Dia Mundial da Água e, neste dia 22 de março de 2021, é um pouco mais esperançoso: segundo relatório da ONG S.O.S Mata Atlântica, 73% de 130 pontos monitorados, apresentaram melhora na qualidade da água.

O estudo analisou 130 pontos de monitoramento, distribuídos em 77 trechos de rios e corpos d’água brasileiros, em 64 municípios, nos 17 estados do bioma Mata Atlântica.

Do total de trechos analisados, cinco estão localizados em rios do Estado de São Paulo.

Em 73% dos rios analisados, a qualidade da água é regular; em 16% a qualidade é ruim e em 10% as condições são boas. Mas, mesmo assim, essa água não pode ser utilizada para pesca, banho e consumo porque ainda está poluída. Sendo assim, essa água só pode ser utilizada para abastecimento de cidades e apenas depois que passar por um processo de limpeza.

“Os indicadores e dados mudam pouco, mas os rios têm, em geral boa capacidade de se recuperar, desde que não fiquemos parados. É preciso agir agora, mudar a nossa forma de gestão e governança e como consumimos a água”, disse Gustavo Veronesi, coordenador do projeto Observando os Rios da Fundação SOS Mata Atlântica.

Devido a coleta e tratamento de esgoto, além do isolamento social na pandemia, o relatório revela que houve melhora na qualidade ambiental dos rios.

Na região do interior de São Paulo: nas cidades de Salto e Itu, os rios passaram de qualidade ruim para boa. Também em Salto, o Córrego Piraí viu sua qualidade cair de boa para regular. Em Santana de Parnaíba e a nascente do Rio Tietê em Salesópolis, também houve melhoras.

“A gente já fala há muitos anos que a situação de um rio é o espelho do comportamento da sociedade. O processo de degradação de um corpo d’água, por lançamento de esgotos sem tratamento ou desmatamento de suas margens é rápido, mas, a recuperação pode demandar muitos anos. Por isso, os indicadores e dados mudam pouco, mas os rios têm, em geral boa capacidade de se recuperar, desde que não fiquemos parados. É preciso agir agora, mudar a nossa forma de gestão e governança e como consumimos a água“, acredita Gustavo Veronesi.

De acordo com a SOS Mata Atlântica, “os indicadores de qualidade da água reunidos no estudo foram obtidos graças ao trabalho voluntário de 3.000 pessoas que integram 256 grupos de monitoramento do projeto Observando os Rios, patrocinado pela Ypê e com apoio da Sompo Seguros. Os grupos de voluntários coletaram e analisaram a qualidade da água, ao longo do ciclo de 12 meses, com acompanhamento e supervisão técnica da Fundação SOS Mata Atlântica”.


SUGESTÕES DE PAUTA[email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.