Dia Internacional do Lixo Eletrônico: confira locais de descarte

0
43

Produção de lixo eletrônico cresce ao redor do mundo: no ano passado a população mundial produziu 53,6 milhões de toneladas de lixo eletrônico, mas apenas 17,4% do material foi reciclado


O dia 14 de outubro é reconhecido como o Dia Internacional do Lixo Eletrônico.

De acordo com o relatório Global E-Waste Monitor, programa da Universidade das Nações Unidas, União Internacional de Telecomunicações e a Associação Internacional de Resíduos Sólidos, em colaboração com Organização Mundial da Saúde e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, no ano passado foram produzidos 53,6 milhões de toneladas de lixo eletrônico em todo o planeta. No primeiro ano do relatório, em 2014, foram produzidos 9.2 milhões de toneladas a menos.

No entanto, apesar da grande produção de lixo eletrônico, a reciclagem não foi tão grande assim: apenas 17,4% do material foi reciclado. O relatório prevê ainda que, até 2030, 74,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico sejam produzidas em todo o mundo.

“Nos últimos cinco anos, a quantidade de lixo eletrônico cresceu três vezes mais rapidamente do que a população mundial e 13% mais rapidamente do que o PIB de todos os países”, afirma Antonis Mavropoulos, presidente da Associação Internacional de Resíduos Sólidos.

O Brasil é um dos países que mais produz lixo eletrônico: um relatório da Organização das Nações Unidas de 2019 mostrou que o Brasil ficou em 5º lugar no ranking mundial dos países produtores de lixo eletrônico com 2.143 milhões de toneladas de resíduos, o que equivale a 10,2 kg por pessoa. Neste ranking, estão à frente do Brasil a China, os Estados Unidos, a Índia e o Japão.

Em fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto (10.240 de 2020) com regras que regulamentam a Política Nacional de Resíduos Sólidos, sancionada em 2010, e obriga fabricantes e importadores de produtos eletrônicos a se responsabilizarem pelo descarte desses aparelhos.

Além das regras, o decreto prevê metas: até 2025 o Brasil deverá ter cinco mil postos de coleta de lixo eletrônico em 400 cidades que concentram 60% da população. Os municípios que tenham mais de 80 mil habitantes devem ter um ponto de coleta para cada 25 mil habitantes e os municípios menores podem fazer campanhas móveis de coleta.

Existe quatro tipos de lixo eletrônico:

● LINHA VERDE: celulares, notebooks, impressoras, tablets, mouses, teclados, computadores, carregadores, fones de ouvido, cabos, pilhas, baterias, etc.

● LINHA MARROM: TVs, equipamentos de DVD/VHS, aparelhos de som.

LINHA AZUL: eletrodomésticos portáteis como batedeiras, liquidificador, ferro elétrico, secador de cabelo.

● LINHA BRANCA: eletrodomésticos de grande porte como geladeira e fogão.

Na cidade de São Paulo, duas instituições realizam coleta de aparelhos eletrônicos e disponibilizam locais, em todas as regiões da cidade, para esse descarte:

● Green Eletron: https://www.greeneletron.org.br/localizador

● Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos: http://abree.org.br/pontos-de-recebimento


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.