Com o agravamento da pandemia da Covid-19, ONGs voltam a arrecadar doações para entrega de cestas básicas

0
8

Campanhas contra a fome que foram bem sucedidas em 2020, como da ONG Gerando Falcões e da Central Única das Favelas, retornam agora em 2021 em busca do apoio da população para matar a fome de crianças e de todas as pessoas em situação de vulnerabilidade que vivem nas comunidades brasileiras


Neste segundo ano de pandemia contra a Covid-19, todo o Brasil está revivendo situações vividas em 2020: desemprego, fome, lockdown, transporte público lotado, aglomeração nas ruas.

A fome atinge, principalmente, as favelas brasileiras. Por isso, campanhas contra a fome que foram bem sucedidas em 2020 retornam agora em 2021 em busca do apoio da população para matar a fome de crianças e de todas as pessoas em situação de vulnerabilidade que vivem nas comunidades brasileiras.

Uma das campanhas é encabeçada pela Central Única das Favelas (CUFA), que tem como foco as Mães das Favelas. O objetivo é “mobilizar a sociedade a auxiliar as mães solos de favela no enfrentamento dos impactos da pandemia, que estão muito fortes, no momento”, informa a CUFA.

Com uma bolsa mensal de R$ 240, as mães solos das comunidades terão uma renda para oferecer alimentos aos filhos. No ano passado, foram atendidas cerca de 1,3 milhão de famílias com impacto em 5,5 milhões de pessoas em mais de cinco mil favelas do Brasil.

“A favela sempre foi isolada socialmente. A pandemia escancarou isso. Logo, queremos voltar com a mobilização do Mães da Favela a todo vapor. Mas, para isso, a sociedade tem que vir junto com a gente, como veio anteriormente, para contemplar o máximo de mães de favela possíveis, que não podem esperar”, explicou Preto Zezé, presidente nacional da CUFA.

Para doar, acesse: https://www.maesdafavela.com.br/doar

Outra rede de apoio que volta a fazer doações é a ONG Gerando Falcões, que retoma a campanha “Corona no Paredão, Fome Não”. Cada doação de R$ 50 será convertida em uma cesta básica digital que vai durar dois meses.

“Em 2020, arrecadamos mais de R$ 25 milhões e distribuímos cerca de 40 mil cestas digitais. Nosso país passa por um momento muito sério com a alta de casos e mortes ocasionadas pelo coronavírus. A população mais humilde está sendo a mais impactada e com a distribuição do benefício pretendemos minimizar os efeitos da fome, angústia e incerteza” destaca o CEO e fundador da Gerando Falcões, Edu Lyra.

Para doar, acesse:  https://gerandofalcoes.com/coronanoparedao


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.