Campanha incentiva gestores públicos a melhorar coleta de orgânicos em SP

0
16

Mais de 50 associações e entidades da sociedade civil se organizaram para a “Campanha São Paulo Composta, Cultiva” que quer transformar o modelo de gestão dos resíduos orgânicos e incentivar a compostagem e reciclagem de produtos


Das 15,4 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos coletados na cidade de São Paulo em 2019, menos de 1% foram reciclados. O restante, foi para dois aterros sanitários.

Em uma cidade com 12 milhões de habitantes, só há cinco pátios de compostagem para restos de feiras livres e podas urbanas, localizados nos bairros de Ermelino Matarazzo, São Mateus, Lapa, Sé e Mooca. Esses pátios têm capacidade de processar até três mil toneladas de resíduos por ano e até 600% toneladas de composto, com apenas 20% das feiras da capital.

Para melhorar o sistema de coleta, mais de 50 associações e entidades da sociedade civil se organizaram para a “Campanha São Paulo Composta, Cultiva” que quer aumentar o comprometimento dos gestores públicos (Prefeitura e vereadores) na reciclagem de resíduos orgânicos.

Durante as Eleições Municipais de 2020, a campanha incentivou as pessoas a votarem em candidatos que se comprometem com a reciclagem de resíduos orgânicos. “O objetivo da nossa campanha é mobilizar a sociedade, mas principalmente os governantes na cidade de São Paulo para mudar o modelo de gestão dos resíduos orgânicos. Nossos resíduos são principalmente sobras de alimento e de jardinagem urbana. O modelo de gestão hoje é insustentável, que leva para o aterro e desperdiça todos os nutrientes desses resíduos”, disse o especialista em gestão de resíduos sólidos e compostagem, Victor Hugo Argentino, um dos articuladores da campanha.

Dos 55 vereadores eleitos em 2020, alguns já assinaram o manifesto da campanha, se comprometendo a contribuir para melhorar a reciclagem de resíduos orgânicos em São Paulo. São eles: Eduardo Suplicy (PT), Erika Hilton (PSOL), Silvia da Bancada Feminista (PSOL), Luana Alves (PSOL), Tripoli (PSDB), Juliana Cardoso (PT), Toninho Vespoli (PSOL), Aurélio Nomura (PSDB), Rodrigo Goulart (PSD) e Sandra Santana (PSDB).

A campanha ainda alerta que depositar resíduos orgânicos em aterros sanitários é o terceiro responsável pela emissão de metano (um dos gases que causa o efeito estufa) em atividade causada pela ação humana no mundo. E na cidade de São Paulo, os aterros são responsáveis por 8,2% do total de emissões poluentes.

O que diminuiria a pressão sobre os aterros sanitários é a compostagem de resíduos orgânicos. Além disso, aterros são áreas enormes que poderiam ser utilizadas para a construção de moradias sociais, outro grande problema da cidade de São Paulo.

“A população brasileira cada vez mais tem entendido isso pelo problema associado a áreas na cidade, que poderiam ser destinadas a um fim mais nobre, como habitação social, produção de alimentos, áreas de parques públicos que são inutilizadas porque a gente deposita resíduos e que, muitas vezes, vão ser ocupadas por pessoas que têm demanda por moradia e vão sofrer os impactos socioambientais disso”, explica Victor Hugo Argentino.


SUGESTÕES DE PAUTA: [email protected]

- Patrocinado -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.